CEO da DISNEY fala sobre a demissão de Gina Carano

Cerca de um mês atrás, a Lucasfilm anunciou que a atriz Gina Carano não iria mais aparecer em sua série de sucesso da Disney+ O Mandaloriano, com relatórios posteriores indicando que o personagem Cara Dune não seria reformulado no futuro.

O súbito “despedimento” de Carano foi rejeitado por múltiplas polêmicas postagens nas redes sociais da atriz, criando uma reação que levou à hashtag #FireGinaCarano que virou tendência online nas horas que antecederam sua demissão.

Como o dia de hoje marcou a Reunião Anual de Acionistas da Disney, qualquer pessoa que possua uma ação na empresa tem a chance de fazer uma pergunta ao CEO, Bob Chapek, com uma pessoa perguntando sobre essa instância em particular.

CEO da Disney fala da demissão de Gina Carano

Formulando sua pergunta de uma forma totalmente normal, implicando que uma “nova lista negra da Disney” existe na empresa, Chapek abordou a questão e as acusações de partidarismo político dizendo:

“Eu realmente não vejo a Disney se caracterizando como esquerdista ou inclinados à direita, mas em vez de defender valores, valores que são universais, valores de respeito, valores de decência, valores de integridade e valores de inclusão e buscamos ter o conteúdo que tornamos reflexo da rica diversidade do mundo que viver. E eu acho que esse é um mundo em que todos devemos viver em harmonia e paz. ”

Bob Chapek – CEO da Disney

Para recapitular, o fim do tempo de Carano na galáxia muito, muito distante veio depois que Carano fez uma postagem mesclando pessoas com pontos de vista conservadores da era moderna aos judeus na época que antecedeu a Alemanha nazista.

Gina Carano
Gina Carano

Ao contrário de outras declarações que ela fez, Carano deletou a postagem naquele dia, mas o estrago já estava feito.

Uma declaração sem créditos da Lucasfilm foi divulgada naquela noite, que dizia:

“Gina Carano não trabalha na Lucasfilm e não há planos para ela no futuro. No entanto, suas postagens nas redes sociais denegrindo as pessoas com base em suas identidades culturais e religiosas são repugnantes e inaceitáveis. ”